11 Jan. 2021, 14h30

Produção industrial brasileira aumenta, no penúltimo mês do ano.

O resultado de novembro foi o sétimo positivo consecutivo, acumulando alta de 40,7%, eliminando a perda de 27,1% registrada em março e abril. Entretanto, mesmo com esses aumentos, a produção industrial segue 13,9% abaixo do seu nível recorde observado em maio de 2011

Os resultados de novembro de 2020 da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física, do IBGE, mostraram aumento de 1,2% na produção industrial brasileira frente a outubro. Com esse resultado, acumula crescimento de 40,7% em sete meses, eliminando as perdas de março e abril, que acumuladas somavam 27,1%, no período mais crítico do isolamento social decorrente da pandemia do novo coronavírus.

Esse avanço na atividade industrial foi observado nas quatro categorias econômicas pesquisadas e em 17 dos 26 ramos, com destaque para fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias, que apresentou a maior influência, com variação positiva de 11,1% na análise mensal. Outros destaques positivos foram: produtos químicos (5,9%), confecção (11,3%), máquinas e equipamentos (4,1%),
Impressão e reprodução de gravações (42,9%), couro, artigos para viagens e calçados (7,9%), bebidas (3,1%), produtos de metal (3,0%), outros equipamentos de transporte (12,8%) e metalurgia (1,6%).

Já os destaques negativos foram em fabricação de produtos alimentícios, queda de 3,1%, acumulando redução de 5,9% em dois meses, indústria extrativa (-2,4%) e produtos farmoquímicos e farmacêuticos, -9,8%, que interrompe a sequência de dois meses de avanço quando acumulou expansão de 10,8%.

Ainda que no consolidado geral a indústria brasileira tenha avançado no segundo semestre de 2020, a produção industrial encontra-se 13,9% abaixo do seu melhor resultado, observado em maio de 2011. No acumulado do ano a perda está em 5,5% e em 12 meses, queda de 5,2%. 

Impactos como disponibilidade e preço de matérias primas, nova onda da Covid19 e fim do auxílio emergencial influenciarão no comportamento da produção industrial
dos próximos meses.

 

Escreva um comentário: