06 Oct. 2020, 09h00

Pacote de incentivos e parcelamento de impostos, propõe Alysson Lima

Goiânia estacionou no meio do caminho e registrou crescimento médio anual de apenas 0,5% desde meados da década passada, perdendo espaço para outras regiões do Estado, a exemplo de Aparecida de Goiânia e Anápolis, que tem apresentado taxas ao redor de 7,3% ao ano em igual período. É o que afirma o candidato à Prefeitura da capital pelo Solidariedade Alysson Lima, que exerce atualmente seu segundo mandato como deputado estadual. Adicionalmente, sustenta, parte relevante do emprego na capital está associada a ocupações informais, o que reduz as possibilidades de crescimento mais acelerado e demanda um reforço na parceria entre a Prefeitura e as instituições do Sistema S para capacitação de pessoal.

Lima participou, na segunda-feira, dia 5, de mais uma edição do programa Fieg Sabatina, que ouve desde o mês passado candidatos a prefeito na capital do Estado e em Aparecida de Goiânia. Sua proposta para promover o que ele classifica como um “salto de desenvolvimento” inclui a ampliação da parceria entre o setor público municipal e a iniciativa privada, com a criação de um comitê permanente para discutir soluções para promover o relançamento da economia no município.

A proposta, de acordo com Lima, é que as principais entidades do setor privado, incluindo Fieg e suas instituições Sesi, Senai e IEL, Fecomércio, Sindilojas e outras tenham assento e voz naquele comitê, que vai se encarregar de “deliberar mensalmente propostas para a retomada da economia goianiense e promover um salto de desenvolvimento nos próximos quatro anos”. Entre as sugestões apresentadas pelo candidato, uma delas será definir quatro polos temáticos, regionalizados, envolvendo incentivos fiscais para atrair empresas de alta tecnologia, especialmente para a região central da cidade, o estímulo ao turismo de negócios, a consolidação dos polos moveleiro na região do Setor Guanabara e de moda, na Região Noroeste da cidade.

O pacote de medidas indicadas por Lima contempla a redução de 5% para 2% do Imposto sobre Serviços (ISS) para um conjunto de sete setores considerados estratégicos para a geração de renda e de empregos, o que incluiria fabricação de computadores, desenvolvimento de softwares e aplicativos, entre outros. O deputado sugere ainda a concessão de isenção do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) por dez anos para empresas que decidam se transferir para a região central de Goiânia. Ainda na área tributária, Lima pretende estabelecer um “calendário dilatado” para pagamento de impostos municipais em atraso, com prazos que poderão variar de 24 a 48 meses, com juros reduzidos. “Boa parte dos empresários, do pequeno ao grande, está hoje com água no nariz”, enfrentando dificuldades para honrar compromissos, justifica ele.

A definição de macrorregiões de desenvolvimento, prossegue, ajudaria a desafogar as pressões sobre o trânsito, aproximando o emprego dos locais onde há maior disponibilidade de mão de obra. Ainda na área de mobilidade urbana, o candidato propõe a construção de uma linha de veículo leve sobre trilhos (VLT) ligando o noroeste de Goiânia à região central, o que permitiria elevar a velocidade e qualidade do transporte, reduzindo o tempo das viagens.


ASSISTA ÍNTEGRA DA SABATINA

Escreva um comentário: