17 Dec. 2021, 15h30

Indústria da moda ganha reforço no Senai com reestruturação da área de confecção

Foram investidos cerca de R$ 1,5 milhão na reforma e modernização do bloco do vestuário da Faculdade Senai Ítalo Bologna, unidade referência na formação de profissionais para o setor

Eleito pela Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg) como um dos pilares estratégicos da economia goiana, o segmento da indústria da moda ganha novo impulso no campo da educação profissional, em momento especial de retomada dos negócios, com a reestruturação do bloco do vestuário da Faculdade Senai Ítalo Bologna, em Goiânia – unidade referência na formação de profissionais para o setor. O novo ambiente foi entregue às indústrias e à comunidade sexta-feira (17/12), com presença do presidente da Fieg e dos Conselhos Regionais do Sesi e Senai, Sandro Mabel.

“Com a modernização do bloco do vestuário, vamos qualificar profissionais usando máquinas e equipamentos de última geração para tornar a indústria da moda mais competitiva. Nos próximos cinco anos, queremos investir em torno de R$ 30 milhões no segmento de confecção, em parceria com empresários, o governo e o Sebrae. O objetivo é aproximar as novas tecnologias do mercado de moda goiano, para agregar valor ao produto e auxiliar a indústria do setor a alcançar o modelo 4.0”, destacou Sandro Mabel.

Atualização tecnológica

Totalmente reformado em novo conceito arquitetônico, o bloco conta agora com ambientes aprazíveis que propiciam o desenvolvimento de características como criatividade e inovação, inerentes ao processo de criação de moda, além de equipamentos atualizados. Foram investidos cerca de R$ 1,5 milhão na reforma e modernização do espaço, divididos em infraestrutura, equipamentos e softwares. Máquinas de costura adquiridas atendem tanto empresas mais tradicionais quanto as de vanguarda do segmento.

A oferta de vagas para formação de costureiros foi ampliada, com previsão de elevação em 5% da oferta de mão de obra para o mercado, que atualmente o Senai atende com grande demanda, sobretudo por cursos de corte, costura industrial, estilista, manutenção em máquinas, desenho de moda, modelagem avançada no CAD, modelagem industrial em tecido plano e de modelagem industrial em malha. O novo bloco terá capacidade de atender cerca de 1.500 alunos por ano.

Historicamente, é mais uma reforma dentro da trajetória de 53 anos da Faculdade Senai Ítalo Bologna destinada a dar mais qualidade aos cursos ministrados para o segmento fashion goiano.

“A unidade atua há quase 40 anos no segmento de moda e nos últimos cinco anos entregamos para o mercado mais de 13 mil profissionais qualificados e prestamos serviços para mais de 120 empresas. A reestruturação da área do vestuário reforça nosso compromisso de formar mão de obra cada vez mais antenada com as demandas das indústrias. Investimos em máquinas mais modernas e eficientes, porque nosso foco é qualidade e produtividade”, disse o diretor do Senai Ítalo Bologna, Dario Queija.

O diretor regional do Senai e superintendente do Sesi, Paulo Vargas, convidou empresários e lideranças do segmento da moda a se aproximarem mais da instituição para somar esforços na capacitação de mão de obra cada vez mais sintonizada com as reais necessidades das indústrias. “Precisamos desse apoio do empresariado para identificar as demandas do setor e formar profissionais que atuem de uma maneira mais assertiva. Queremos fortalecer a indústria e criar condições para a moda goiana ser mais competitiva”, ressaltou.

Presidente do Sindicado das Indústrias de Confecções e Roupas em Geral de Goiânia (Sinroupas), Edilson Borges parabenizou a iniciativa e reforçou a importância do Senai para o segmento do vestuário. “A indústria da moda está em constante atualização tecnológica e o Senai vem acompanhando essa modernização, com oferta de cursos e infraestrutura avançados”.

Para o presidente do Sindicato das Indústrias do Vestuário de Goiás (Sinvest) e da Câmara Setorial da Moda, José Divino Arruda, o novo bloco vai contribuir com a formação de mais profissionais qualificados. “A pandemia atingiu duramente o setor da moda, mas com o aquecimento da economia estamos revertendo esses impactos negativos e vamos precisar de mão de obra capacitada que atenda aos desafios dessa retomada”, disse.

Também participaram do evento o presidente da Câmara Setorial da Indústria da Construção, Sarkis Nabi Curi, representantes da Associação da Região da 44, empresários do segmento da moda, além de diretores e gerentes do Sesi e Senai. A gerente de Projetos de Concessões da Secretaria de Indústria e Comércio, Vera Regina Aguiar, representou o secretário Joel Sant’anna Braga Filho, com quem o Sistema Fieg vem discutindo parcerias de apoio ao setor, a exemplo o projeto Cinturão da Moda, idealizado pelo governo estadual para fomentar a atividade.

A moda goiana em números

A indústria da moda movimenta R$ 187 bilhões/ano no País e emprega em Goiás, somente na Região da 44, cerca de 160 mil pessoas. Um potencial capaz de promover crescimento econômico, sobretudo para geração de emprego e renda em Goiânia e em municípios do interior do Estado.

Em Goiás, as indústrias do vestuário estão espalhadas por bem mais da metade do Estado, com presença em nada menos do que 177 dos 246 municípios goianos. Atualmente, o Senai atende esse segmento beneficiando 70% dos municípios que sediam empresas de médio e grande porte e 22% das cidades que abrigam indústrias de pequeno e micro porte. 

Escreva um comentário: