25 May. 2022, 10h30

Goiânia reúne grandes nomes da indústria de mineração

A Brasmin ? Feira da Indústria da Mineração ? e o 7º Encontro Nacional da Média e Pequena Mineração começaram terça-feira e seguem até o dia 26/05

Nomes de peso da mineração nacional estiveram reunidos terça-feira (24), no Centro de Convenções de Goiânia, para a abertura da Brasmin – Feira da Indústria da Mineração e do 7º Encontro Nacional da Média e Pequena Mineração, realizados simultaneamente. A Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg) apoia os dois eventos e marcou presença com seus principais dirigentes. Os presidentes da Fieg, Sandro Mabel, da Câmara Setorial da Mineração (Casmin), Wilson Borges e do Sindicato das Indústrias Extrativas do Estado de Goiás e do Distrito Federal (Sieeg-DF), Luiz Antônio Vessani, participaram da solenidade de abertura da feira, ao lado do secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do Ministério de Minas e Energia (SGM/MME), Pedro Paulo Dias; do secretário de Indústria e Comércio de Goiás, Joel Sant’Anna Braga Filho, além de outras lideranças do setor mineral.

O presidente da Fieg, Sandro Mabel, que também preside o Conselho Temático da Mineração da CNI (Comin) participou do Painel Política Mineral no Brasil, que discutiu qual política mineral poderá atender aos interesses das pequenas e médias mineradoras. Desde que assumiu o Comin, em 2019, Sandro Mabel emprega esforços em promover a “Onda da Mineração”, considerando o setor mineral estratégico para o fortalecimento da economia.

“Eu acredito que a mineração pode ser o carro-chefe para o desenvolvimento econômico nacional”, sublinhou. Em sua apresentação, o presidente do Comin explicou a essencialidade da mineração em suas diversas formas, desde a extração de areia até os grandes complexos minerários. “A mineração é uma indústria de base, fornecedora de insumos essenciais. As demais atividades econômicas fazem uso de insumos produzidos pela mineração”, disse.

“Hoje a mineração é responsável por mais de 180 mil empregos formais em todo o País, sem contar os empregos indiretos e induzidos. São mais de R$ 70 bilhões em impostos arrecadados”, acrescentou Sandro Mabel.

SETOR MINERAL – Em 2021, o setor mineral, incluindo a transformação dos bens minerais, representou 22,5 % do PIB, chegando a U$$ 145 bilhões de dólares. Só no primeiro trimestre deste ano, foram R$ 56 bilhões. Pará (41%), Minas Gerais (36), Goiás (4%), Bahia (4%) e São Paulo (3%), lideram o ranking dos Estados produtores de commodities.

São cerca de 16 mil empresas de mineração em operação no País, sendo que, aproximadamente, 12,8 mil são de micro e pequeno porte, o que representa 80% das empresas que atuam no setor.

 

Escreva um comentário: