02 Aug. 2022, 14h42

Fieg Jovem lança arena de debates sobre sucessão empresarial

Iniciativa busca desmistificar tema considerado tabu em negócios familiares, que hoje representam 90% das empresas brasileiras

Construir um legado por gerações. Com esse mote, a Fieg Jovem, liderada pela empresária Thais Santos, lançou terça-feira (02/08), na Casa da Indústria, a iniciativa Arena, que vai promover discussões sobre sucessão empresarial, buscando instrumentalizar jovens empresários no processo de gestão de negócios familiares. O lançamento contou com presença do presidente da Fieg, Sandro Mabel; de seu pai, Nestore Scodro; e dos palestrantes Pietro Schonmann, family-advisory da UBS Global Wealth Management, e Mariana Salomão, sócia da Brasil Salomão e Matthes Advocacia.

"Sem dúvida é uma discussão delicada, mas que, quando é planejada, ajuda muito o negócio lá na frente. Vemos muitas empresas grandes que não têm sucessão, onde os herdeiros não foram acostumados com o negócio e não participam da administração. Para que a empresa se perpetue, é preciso preparar a próxima geração, com conhecimento e, principalmente, encantando-os com o negócio", avaliou o presidente da Fieg, Sandro Mabel, durante a abertura do evento.

Para o empresário Nestore Scodro, pai de Sandro Mabel e que acompanhou o lançamento da iniciativa da Fieg Jovem, dois aspectos fundamentais precisam ser observados nas empresas familiares: harmonia e capacitação. "A harmonia na família se reflete no trabalho e na gestão industrial. Isso e capacitação são fundamentais para formar herdeiros preparados para assumir os negócios".

O empresário, que passou a gestão da empresa aos filhos quando tinha pouco mais de 50 anos, falou sobre sua experiência nesse processo. "Sempre gostei de desafios! Não deixei a empresa cedo, meus filhos que foram rápidos em se capacitar como gestores para tomarem conta do negócio", afirmou, reforçando a importância dos herdeiros em terem interesse pela empresa e buscarem o conhecimento necessário para se tornarem sucessores de sucesso.

A presidente da Fieg Jovem, Thais Santos, reconheceu que o tema ainda é considerado tabu dentro das famílias e nas empresas e que a iniciativa busca justamente desmistificar o assunto. "A sucessão familiar é o principal pilar hoje trabalhado pela Fieg Jovem. Por isso, lançamos a Arena. Esse é nosso primeiro encontro, mas já temos uma programação de debates para os próximos dois meses", afirmou.

Segundo Thais, em setembro será abordado o planejamento do processo sucessório, abordando a jornada da sucessão familiar e o equilíbrio entre os aspectos técnicos e socioemocionais; e, em outubro, serão apresentados cases de sucesso na gestão, apontando prós e contras da sucessão familiar e sucessão profissional, bem como o processo de entrada do herdeiro no negócio.

PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO - O lançamento da Arena Fieg Jovem contou com palestras de Pietro Schonmann, family-advisory da UBS Global Wealth Management, e de Mariana Salomão, sócia da Brasil Salomão e Matthes Advocacia. Os especialistas abordaram as melhores práticas e principais elementos de governança familiar, inclusive adoção de protocolos orientadores que impulsionam a tomada de decisões, a continuidade das empresas e a harmonia familiar; além de aspectos jurídicos que precisam ser observados nesse processo.

"As empresas familiares são o grande pilar da economia mundial. Apesar de estarem nessa liderança, somente 30% conseguem passar o negócio para as próximas gerações. Isso porque falta a adoção de um plano de sucessão, que traga transparência ao processo, incentive a comunicação familiar, minimize conflitos e pense de forma estratégica na diversificação do negócio. É muito difícil fazer um processo de sucessão sem ter uma governança familiar bem estruturada", ponderou Schonmann.

A advogada Mariana Salomão corroborou a fala do representante da UBS, complementando que o planejamento sucessório não precisa ser feito pensando na morte de quem hoje administra a empresa, mas sim no sucesso que o gestor alcançou na gestão do negócio. "Os herdeiros sempre vão existir, mas para a sucessão é preciso estar preparado. Ao falar de sucesso, tratamos sobre a transferência de conhecimento. Não é só formação acadêmica, mas estar inteirado sobre o negócio e patrimônio da família".

O lançamento da Arena Fieg Jovem contou com presença do presidente do Sindicato das Indústrias da Alimentação no Estado de Goiás (Siaeg), Antônio Santos; do presidente do Sindicato da Indústria da Construção, Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica no Estado de Goiás (Sindcel), Célio Eustáquio de Moura; de conselheiros do colegiado e jovens empresários.

Escreva um comentário: