24 Jun. 2021, 16h04

Fieg e Senai anunciam Indústria + Conectada para formar 100 mil profissionais em TIC

Diante da ameaça de um apagão de mão de obra na área de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), a Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg) e o Senai reagem com estratégia ousada, envolvendo o desafio de formar quase 100 mil profissionais nos próximos cinco anos – no primeiro ciclo da iniciativa – em Goiás e além fronteira do Estado, por meio de formação híbrida (presencial e ensino a distância – EaD). Trata-se do Programa Indústria + Conectada, que destinará investimento de R$ 8 milhões, pelo Senai Goiás, e tem como objetivos definidos suprir a demanda de profissionais altamente qualificados na área de TIC, apoiar a inserção das indústrias na 4ª Revolução Industrial e tornar as áreas TICs estratégicas para os negócios industriais.

O investimento é viabilizado, segundo o presidente da Fieg e dos Conselhos Regionais do Sesi e Senai, Sandro Mabel, graças ao esforço que tem sido feito para a sustentabilidade das gestões das instituições, buscando gastar com custeio menos dinheiro da contribuição compulsória para destinar a investimentos. “Nós estamos investindo muito forte em nossos laboratórios de robótica e na formação digital. A partir de agora os alunos do Sesi e Senai vão ser trilíngues, aprendendo português, inglês e linguagem digital”, brincou ele, ao anunciar o programa durante a reunião mensal de junho da diretoria da Federação das Indústrias. 

“Nós queremos formar nos próximos cinco anos 48 mil profissionais em Goiás e mais de 50 mil em todo o Brasil, por meio do ensino a distância (EaD), para suprir a demanda do mercado de profissionais na área de informática e Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). A Indústria 4.0 precisa de muita mão de obra qualificada e nós vamos atuar forte para suprir essa demanda”, enfatizou.

De acordo com apresentação feita na reunião de diretoria pelo diretor regional do Senai e superintendente do Sesi, Paulo Vargas, e pelo diretor de Educação e Tecnologia das instituições, Claudemir José Bonatto, o programa vai oferecer cursos alinhados às necessidades do mercado. A demanda atual no País é de 46 mil profissionais de TIC em 2021 e 228 mil entre 2021 e 2024. A iniciativa da Fieg e do Senai prevê a participação de empresas-âncoras, parceiras, que contratam os profissionais formados pelo programa e promovem as mentorias. Entre essas empresas em negociação, Sonda, rede latino-americana de serviços de Tecnologias da Informação, atua há 45 anos com oferta de serviços e soluções em TI, como Data e Analytics, RPA (Robotic Process Automation), ERP (Enterprise Resource Planning), Cloud, Datacenter, etc. A parceria em negociação visa à formação diferenciada e especializada de profissionais para atuar no mercado de TI, com possibilidade de contratação pela empresa, ao término do curso.

Há também negociação com o Grupo Siagri, que comanda a Conexa, um Hub de Inovação. A empresa trabalha com ERP para a área do agronegócio, desde 1998 e tem investido em Tecnologia da Informação para modernizar a administração do trabalho no campo. Numa primeira etapa, a negociação envolve a oferta de cursos na área de TI, para formação e aperfeiçoamento de seus colaboradores e avaliando a possibilidade de uma outra parceria, abrangendo o atendimento ao agronegócio.

O programa Indústria + Conectada contará com o suporte da Faculdade Senai Fatesg, em Goiânia, unidade referência em tecnologia da informação e comunicação que acaba de ser credenciada pelo Ministério da Educação (MEC) com nota máxima para cursos de graduação e pós-graduação, e polos (chamados academias TICs) na Região do Entorno do Distrito Federal, em Anápolis e Rio Verde. “Essa é uma versão que estamos chamando de primeiro ciclo”, explica Bonatto, anunciando a criação de outros polos no futuro.

Escreva um comentário: