05 May. 2022, 10h03

Fieg discute informalidade, falta de mão de obra e o desafio para adequação à NR-12

O Conselho Temático de Relações do Trabalho (CTRT) da Fieg, liderado pelo empresário Marley Rocha, promoveu quarta-feira (04/05) reunião ordinária do colegiado, com participação de empresários e profissionais de recursos humanos. O encontro, realizado em ambiente on-line, discutiu detalhes da pesquisa sobre informalidade e escassez de mão de obra, encomendada pela Fieg, e aspectos da Norma Regulamentadora (NR-12), sobre adequação de máquinas e equipamentos, para prevenção de interdições e multas nas empresas.

A gerente de Desenvolvimento Empresarial do IEL Goiás, Sandra Márcia Silva, apresentou a metodologia do estudo Escassez de Mão de Obra na Indústria, pesquisa encomendada pela Fieg ao IEL, com apoio do Sebrae, que busca identificar as razões da falta de profissionais, diante de cenário de alta taxa de desemprego. O objetivo é aprofundar a discussão sobre a informalidade, com indicadores consistentes e análises com indicações de ações para superar esse desafio. A pesquisa será iniciada com piloto voltado ao setor da construção civil, sendo ampliada posteriormente para outros segmentos industriais.

Para o presidente do CTRT, Marley Rocha, a falta de qualificação é um desafio, mas a resistência do trabalhador em atuar na formalidade tem sido uma grande dificuldade enfrentada pelas empresas, sobretudo da indústria da construção. "Precisamos superar a questão trabalhista para avanços maiores. Não podemos deixar desamparada essa grande parcela que hoje está na informalidade, em função de uma minoria privilegiada", afirmou.

Quanto à NR-12, a discussão abordou os requisitos mínimos exigidos às empresas para adequação de máquinas e equipamentos, com foco na prevenção de acidentes e doenças do trabalho. Considerada complexa pelo setor produtivo, a norma regulamentadora lista referências técnicas e medidas de proteção para resguardar a saúde e integridade física dos trabalhadores. No total, são 18 tópicos, com 143 itens e inúmeros subitens, e 12 anexos, com possibilidade de novas inserções. A apresentação foi do engenheiro Gabriel Motta, do Instituto Senai de Tecnologia em Automação Industrial, de Goiânia, que possui programa dedicado à adequação de empresas a NR-12.

"O tema NR-12 vem incomodando empresas há muito tempo. A norma já foi muito mais complexa do que é hoje, mas ainda é muito confusa, apesar das mudanças. Quando o empresário vê algo assim, a primeira reação é a de que não vai conseguir se adequar a tamanhas as exigências. Entretanto, é importante dar alguns passos, mostrar que está trabalhando em busca da adequação e o Senai está aí para ajudar nessa questão, com profissionais qualificados para consultoria", avaliou Marley Rocha.

A reunião do CTRT foi acompanhada pelo presidente do Conselho de Assuntos Tributários (Conat) da Fieg, Eduardo Zuppani. A íntegra da live está disponível no canal Youtube do Sistema Fieg (youtube.com/user/SISTEMAFIEG).

Escreva um comentário: