12 May. 2021, 13h14

Fieg debate intercâmbio comercial com Alemanha em webinar com empresários goianos

Encontro teve participação do embaixador Heiko Thoms e do assessor econômico Lucas de Freitas e proporcionou panorama das relações econômicas bilaterais

O Conselho Temático de Comércio Exterior (CTComex) da Fieg e o Centro Internacional de Negócios (CIN) promoveram, nesta quarta-feira (12/05), em ambiente on-line, a sexta edição da série de webinares Intercâmbio Comercial: Incrementando os Negócios Bilaterais. Este foi o primeiro encontro do ano e apresentou as potencialidades e oportunidades de negócios ofertadas pela Alemanha. O webinar foi prestigiado pelo embaixador da Alemanha no Brasil, Heiko Thoms, e pelo presidente da Fieg, Sandro Mabel. O debate, moderado pelo vice-presidente do CTComex e cônsul honorário da Alemanha em Goiás, William O'Dwyer, contou com apresentação do assessor econômico Lucas de Freitas, que expôs as perspectivas de crescimento da economia alemã e os projetos prioritários com foco em desenvolvimento e retomada pós-pandemia.

Segundo o embaixador Heiko Thoms, o comércio bilateral entre Goiás e Alemanha é significativo, sendo o país europeu o terceiro parceiro comercial goiano, atrás da China e Estados Unidos. Para ele, o acordo Mercosul-União Europeia, firmado em 2019 e em fase de ratificação, pode estimular ainda mais esse comércio bilateral, oferendo estímulos e processos inovadores para avanço de novas parcerias.

O diplomata explicou que, em 2020, o governo alemão aprovou um pacote de proporções históricas, na ordem de US$ 130 bilhões, com foco em inovação, inclusive com linhas voltadas ao incentivo de projetos na área de energias renováveis. Thoms reconheceu a vocação de Goiás no setor e afirmou que a Alemanha está pronta para cooperar com o incremento comercial com Goiás.

Nesse sentido, o embaixador alertou para necessidade de avançar com políticas que promovam a sustentabilidade e que hoje o único entrave à ratificação do acordo Mercosul-União Europeia está ligado à condução da política ambiental brasileira, principalmente em questões de combate ao desmatamento

O presidente da Fieg, Sandro Mabel, acompanhou a exposição do diplomata e reiterou a disposição da entidade em promover a aproximação das indústrias goianas com o mercado consumidor alemão. "A Alemanha tem o Brasil como mais importante parceiro comercial na América do Sul. Suas indústrias se destacam na economia brasileira e queremos aprofundar essa relação comercial com indústrias goianas também exportando produtos de qualidade para lá", disse.

Da mesma forma, o vice-presidente do CTComex, William O'Dwyer, destacou a participação das multinacionais alemãs na economia brasileira, que respondem por 10% do PIB industrial nacional e geram 250 mil postos de trabalho qualificados. "Quando falamos da Alemanha, pensamos imediatamente nas grandes indústrias. Hoje, são mais de 1400 indústrias alemãs com operação no Brasil e isso dá a dimensão da importância do país europeu na economia brasileira", avaliou.

Nesse sentido, o assessor econômico da Embaixada da Alemanha Lucas de Freitas detalhou que São Paulo é um dos maiores polos industriais da Alemanha fora de seu território e que a corrente de comércio com o Brasil em 2020, mesmo considerando o momento atípico de pandemia, superou os €14,5 bilhões. "A Alemanha é o quarto maior parceiro comercial do Brasil, com estoque de investimento na casa dos €18 bilhões. Vemos grandes possibilidades de incremento do comércio bilateral e estamos abertos para cooperar em áreas estratégicas, como pesquisa e desenvolvimento voltados às necessidades do setor produtivo e soluções na fronteira da inovação.

O encontro contou com a participação de 50 empresários e foi acompanhado pelo presidente do Sindicato das Indústrias da Alimentação no Estado de Goiás (Siaeg), Antônio Santos, e pelo presidente do Conselho Temático da Micro, Pequena e Média Empresa (Compem-GO) da Fieg, Jaime Canedo. A próxima edição do webinar Intercâmbio Comercial: Incrementando os Negócios Bilaterais está programada para junho, com o embaixador da Argentina no Brasil, Daniel Scioli.

Escreva um comentário: